Carregando tradução..
Carregando...

Últimas notícias

Fazenda avalia que projetos de lei vão ajudar a inibir distratos
05/07/18

De acordo com nota, projetos em discussão no Congresso serão capazes de garantir maior segurança jurídica para funcionamento do mercado imobiliário.

O Ministério da Fazenda divulgou nesta quarta-feira, 4, um estudo realizado pela Secretaria de Promoção da Produtividade e Advocacia da Concorrência (Seprac) endossando os projetos de lei em tramitação no Congresso que estabelecem regras, incluindo multas aos consumidores, para os cancelamentos de vendas de imóveis negociados na planta – os chamados distratos.

De acordo com nota técnica da pasta, o PL 1.220/2015, já aprovado pela Câmara dos Deputados, e o PLS 288/2017, em discussão no Senado, serão capazes de inibir os distratos e garantir maior segurança jurídica para o funcionamento do mercado imobiliário.

“A regulamentação por lei do distrato trará segurança e ajudará a recuperação de um setor importante, assim como assentará bases sólidas para evitar novos desastres como vimos entre 2014 e 2016”, salienta o Ministério da Fazenda, referindo-se ao volume elevado de vendas rescindidas nesse período. “Ademais, ajudará a priorizar o interesse coletivo dos consumidores adimplentes vis-à-vis os interesses individuais dos compradores inadimplentes”, complementa.

A pasta reconhece que os distratos são, em muitos casos, um reflexo da perda das condições de compra pelos consumidores em função de desemprego ou da elevação dos juros do financiamento imobiliário.

Entretanto, salienta também que outra parte considerável das rescisões nasce de investidores que não obtiveram a valorização esperada com o imóvel e acabaram optando por não levar o negócio adiante.

Na avaliação da pasta, as multas aplicadas pela rescisão dos contratos, bem como o veto à devolução da taxa de corretagem, serão instrumentos eficazes para inibir os cancelamentos de vendas que tanto impactaram as empresas.

O PL 1.220/2015, por exemplo, prevê multa de 50% sobre os valores pagos pelos consumidores nas desistências de compras de imóveis que pertencem a empreendimentos com patrimônio de afetação – casos que são a maioria no setor.

A nota técnica apresenta ainda um compilado de dados que evidenciam os graves impactos dos distratos sobre as empresas. A nota traz números da Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc), segundo os quais os distratos chegaram a representar o equivalente a 51% das vendas brutas no acumulado de 12 meses até janeiro de 2017 (auge da crise do mercado imobiliário), considerando os imóveis de médio e alto padrão. Já o dado mais recente da associação, de abril de 2018, aponta para um recuo a 39,3%.

A pasta cita também um estudo realizado pelo banco BTG Pactual que mostra que a multa pelo distrato é de 100% do valor pago pelos consumidores em países como México, Argentina, Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, França, Itália, Espanha, Portugal e Austrália.

Segundo o BTG Pactual, o consumidor que desiste do negócios nesses países pode ser até processado e forçado a concluir a aquisição da unidade. Já no Brasil, a retenção dos valores pelas empresas gira em torno de 10% a 25%, conforme a maioria das decisões judiciais que foram tomadas nos últimos anos em meio à ausência de uma legislação específica.

Na visão do Ministério da Fazenda, ao determinar a restituição da maior parte dos valores pagos aos consumidores, as decisões judiciais afetaram o fluxo de caixa das empresas e comprometerem a conclusão dos empreendimentos imobiliários, colocando em risco os demais consumidores que mantiveram as compras realizadas na planta.

“Em outras palavras, a proteção judicial ao distrato levou a que se priorizasse o interesse individual dos compradores inadimplentes em detrimento do interesse coletivo dos consumidores adimplentes”, ressalta a Seprac. “A experiência internacional revela a importância de se manter a previsibilidade contratual em transações de compra e venda de imóveis”, afirma.

Por fim, a nota técnica sinaliza que a formalização de regras para os distratos e o aumento da transparência nos contratos de compra e venda ajudarão as empresas do mercado imobiliário a precificarem melhor o risco dos investimentos e planejarem seu fluxo de caixa, bem como auxiliarão os consumidores a evitar um endividamento inesperado no negócio, ajudando a reduzir o níveis de inadimplência da economia brasileira como um todo.


Fonte: EXAME






Últimas notícias
 20/08/18 - Investir em imóveis:
 14/08/18 - Venezuelanos ricos são responsáveis por boom imobiliário Espanhol
 25/07/18 - Fazenda avalia que projetos de lei vão ajudar a inibir distratos
 10/07/18 - Recomenda-se revisar as clausulas do contrato de financiamento?
 05/07/18 - Fazenda avalia que projetos de lei vão ajudar a inibir distratos
 05/07/18 - Por que esta é uma boa hora para comprar imóvel
 06/06/18 - São Paulo tem novas regras para o uso de portões automáticos.
 24/05/18 - Exercite boas práticas para economizar energia elétrica
 30/04/18 - Aprenda como reduzir o valor do condomínio
 30/04/18 - Pequenas economias cotidianas com foco na compra da casa própria
 27/04/18 - SP deixa de ser um dos mercados imobiliários mais frios do mundo
 25/04/18 - Novas regras de financiamento aquecem o mercado imobiliário
 19/04/18 - Expositores do Salão Imobiliário de Portugal de 2018 aumentam 27%
 17/04/18 - O que muda no financiamento da Caixa após a queda dos juros
 13/04/18 - Qual o futuro do mercado imobiliário?
 11/04/18 - Caixa vai baixar juros imobiliários em abril, diz novo presidente
 03/04/18 - SP deixa de ser um dos mercados imobiliários mais frios do mundo
 28/03/18 - O comportamento do consumidor e o mercado Imobiliário
 21/03/18 - Aprenda a fazer um ar-condicionado caseiro
 21/03/18 - Posso transferir o financiamento de um imóvel para outra pessoa?
 21/03/18 - A documentação necessária para comprar imóvel com segurança
 21/03/18 - Novo golpe no mercado imobiliário: aprenda a se resguardar
 20/03/18 - A importância da brigada de incêndio em condomínios
 19/03/18 - Como declarar aluguéis no Imposto de Renda 2018
 16/03/18 - Após período de recessão, mercado imobiliário se recupera em 2018
 16/03/18 - Conheça algumas hashtags para o Corretor usar nas redes sociais
 12/03/18 - Preços de venda de imóveis residenciais ficam estáveis
 12/03/18 - Crise brasileira x bolha imobiliária americana: Veja a diferença
 09/03/18 - Mercado dá como certo que taxa básica de juros cairá para 6,5%
 07/03/18 - Por que contratar um corretor de imóveis?
enviando...